O PROPÓSITO DE DEUS: UMA FAMÍLIA COM PROPÓSITOS.
© Prof. Dr. Roger Wanke

Tópicos:
A família vive em uma pequena comunhão.
A família vive em uma dependência mútua.
A família vive em unidade absoluta.
A família vive em total transparência.

Já se foi o tempo em que se sonhava com uma família perfeita. Nos dias de hoje, esse “mito” deixou de existir. Vários são os modelos de família reconhecidos na sociedade. Inúmeros são os conflitos que acontecem nesse contexto familiar. Se numa época, definia-se família como a célula mater da sociedade, atualmente o que se percebe, é que em vários casos, ela, infelizmente, se tornou a célula morta da sociedade. De certa forma, se a sociedade vive sem rumo,é porque não há mais clareza sobre a importância e o papel da família. Contudo, se olharmos apenas para a atual situação, na qual se encontra a família, corremos o sério risco de cair num fatalismo e num conformismo.

Na verdade,toda essa situação não é de hoje. Se por um lado, como veremos adiante, a Bíblia não esconde a triste realidade da imperfeição familiar, ela também deixa claro quais são os propósitos que Deus tem para a família, que ele criou. De fato, a família é tão importante para Deus,que já nas primeiras páginas da Bíblia encontramos valiosas afirmações a seu respeito.

Mesmo que o termo família não apareça no texto, pode-se concluir que ela não é uma simples instituição social, mas é criação de Deus. Deus cria o ser humano como homem e mulher e, desta forma, eles cumprem a sua função neste mundo como imagem e semelhança de Deus. Deus abençoa o homem e a mulher, dando a eles as condições de vida, de sustento e principalmente de gerar filhos: “sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra”. Assim, Deus cria a família. A sua bênção, que perpassa a união entre homem e mulher marcada pelo amor, faz com que surja a família e por extensão a própria sociedade. É através da família e da sociedade que o ser humano, homem e mulher, como imagem de Deus, o representam nesse mundo. Só aqui já se percebe o grande valor que a família tem aos olhos de Deus. Não haveria sociedade sem a família. A próxima menção sobre a família na Bíblia se encontra em Gn 2.1-25. Aqui podemos descobrir mais detalhes sobre o propósito de Deus para a família. O texto diz que Deus cria o homem do pó da terra, mas depois de um tempo, vê que não é bom que esse homem esteja só. Deus, então, faz o homem cair em sono profundo e a partir de uma de suas costelas faz a mulher. O que isso significa? Qual é o propósito da família aos olhos de Deus, a partir deste texto?

A família vive em uma pequena comunhão.

Embora o espírito da época em que vivemos insiste ao afirmar, que é bom o ser humano viver só, a Bíblia, por sua vez, faz questão de dizer, que para Deus,não é bom que o ser humano esteja só. Ele necessita de comunhão. Sua primeira e mais sublime experiência de comunhão é na família. Essa comunhão de vida abrange todas as esferas da vida. Nessa comunhão, homem e mulher  experimentam o pertencimento um ao outro, que se estenderá aos filhos. Na comunhão há proteção, pois um vive para o outro. A comunhão vivida no seio da família é o modelo de como deveria viver a sociedade. Desta forma, o propósito de Deus para a família alcança uma dimensão muito maior. A comunhão que a família experimenta com Deus e com ela mesma,fará a diferença numa sociedade,na qual o crescente individualismo e a solidão tomam conta.

A família vive em uma dependência mútua.

É crescente nos dias de hoje o sentimento e a busca por independência, também no contexto familiar. A Bíblia diz que Deus cria a mulher como auxílio  correspondente ao homem. Isso mostra claramente que há uma profunda dependência mútua entre eles. Por isso, seria a maior idiotice um casal, ou uma família pensar que não se necessitam  mutuamente. Deus cria a mulher a partir de uma costela do homem. A palavra hebraica para costela pode também ser traduzida por “lado”, a mesma palavra que é usada em Êx 25.12 para falar dos lados da arca da aliança e em Êx 26.20, 26 para falar dos lados do Tabernáculo e ainda, como “viga” ou “colunas” do Templo em 1 Reis 6.15s; 6.34; 7.3. Isso significa que a costela é usada como figura de linguagem para falar da função de sustentáculo que a mulher tem em relação ao seu marido. Sua função é ser um auxílio correspondente. A comunhão do homem com sua mulher deve ser marcada pela  igualdade e pela correspondência mútua. A  existência do ser humano envolve o homem e a mulher de modo idêntico, íntimo e equivalente, porque ambos dependem um do outro. Essa  dependência mútua existe também na relação com os filhos e, por isso, também abrange todas as esferas da vida, desde o nascimento, o amadurecimento, o envelhecimento e por fim até a morte. Essa dependência mútua é tão importante, que o texto bíblico aqui interrompe a narrativa para citar uma das frases mais belas do homem na Bíblia. Adão está tão feliz que até declama uma poesia: “Esta, afinal, é osso dos meus ossos e came da minha carne; chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada”. A vida em família seria bem diferente hoje, se essa poesia voltasse a ser recitada.

A família vive em unidade absoluta.

Nos v.24-25, o texto diz que o homem deve deixar seu pai e sua mãe e se unir com sua esposa. A  palavra aqui é literalmente colar. Dessa forma,  entre outros, se fundamenta a monogamia. Homem e mulher pertencem um ao outro, eles são uma só carne. O varão e a varoa vivem o propósito de Deus para a família, quando estão unidos, em amor, compromisso, fidelidade um ao outro. Essa  dimensão mostra claramente que o propósito de  Deus para a família não é a separação nem o divórcio, que crescem assustadoramente na  sociedade e também na igreja. Nesse contexto, o velho grito de guerra “família unida, jamais será vencida”, partindo deste propósito de Deus, deverá ser entoado mais forte nos tempos que vivemos.

A família vive em total transparência.

Por fim, o texto afirma que homem e mulher  estavam nus e não se envergonhavam. A nudez na Bíblia expressa a liberdade e a transparência que deve haver entre o homem e a mulher. Deus cria a família para viver em integridade e verdade. Por isso, no relacionamento familiar não deve haver espaço para a mentira, para a falsidade. Na família não deveria haver máscaras, a vida deve ser vivida às claras, sem ter nada a esconder um do outro. Onde há transparência, há confiança e onde há confiança, há relacionamento. Esse relacionamento de confiança da família é reflexo do relacionamento de confiança do ser humano com Deus, que pode viver com o seu criador em comunhão, dependência e verdade. Também a partir disso, a  família pode ser modelo para a sociedade. Como pode se ver, a família tem um lugar especial no  coração de Deus. Ele a cria com amor, para viver em amor. Ele lha confere importância, para fazer a diferença nesse mundo. Ele a abençoa para ser uma bênção na sociedade. Deus tem um propósito para ela, para que seja uma família com propósito,  vivendo em comunhão, dependência mútua,  unidade absoluta e transparência total, para desta forma, desempenhar sua função de imagem e semelhança de Deus neste mundo. Portanto, a família continua sendo o alicerce da sociedade, o alicerce da fé. A família é como um jardim. Não é a toa que Deus cria a família e a coloca num jardim. A família precisa de cuidado, assim como as flores num jardim. Deus cuida da família, porque ela continua sendo seu projeto.

Comunhão, Dependência Mútua,
Unidade e Transparência

Faculdade Luterana de Teologia

Rua Wally Malschitzki, 164 Mato Preto – São Bento do Sul – SC    CEP 89285-295

flt@flt.edu.br  |  (47) 3203-4663

Visite-nos

Contato

8 + 5 =

Redes Sociais

× Como posso te ajudar?